_MG_7196-copy
_MG_7196-copy

press to zoom
_MG_7190_1-copy
_MG_7190_1-copy

press to zoom
_MG_7190-copy
_MG_7190-copy

press to zoom
_MG_7196-copy
_MG_7196-copy

press to zoom
1/4
Paisagem Falida, 2022
Instalação/Desenho

Na década de 1930 a empresa paulistana HELIOS que liderava o mercado na fabricação e comercialização de materiais para máquinas de escrever e escritório, lançou o primeiro papel carbono fabricado no país. Com os avanços da tecnologia e novos produtos surgidos na área de informática, a falta de procura por tais materiais e a não modernização da empresa levou a HELIOS à falência. 

 

A obra “Paisagem Falida”, retoma a história da fábrica. E faz uso do antigo e hoje raro papel carbono símbolo da HELIOS. Para a construção da obra, folhas de carbono foram usadas como matriz para uma série de desenhos de paisagem, imagem presente na superfície da própria folha quando fabricada. O espectador primeiramente encontra na instalação o carbono, posteriormente uma folha de papel com uma cópia em desenho da paisagem e ao lado o carbono, depois outra folha com dois desenhos, três, quatro… e assim sucessivamente, finalizando no número de 22 paisagens desenhadas, limite máximo que o carbono não permite mais o desenho ser realizado com sua total resolução.

 

Ao percorrer a obra o espectador visualiza um conjunto de desenhos apresentando uma paisagem que parece estar em movimento se dissolvendo, através de um jogo cinético que os desenhos e a montagem criam. Uma paisagem que se dissolve e “fale”, remetendo diretamente a falência da fábrica Helios mas também tantas outras empresas que atualmente tem falido no Brasil, assim como o descaso pelo atual governo com o meio ambiente através da imagem de paisagem tropical que vai se apagando na obra.