1/6

1/1
Natureza-morta com laranjas
escultura, 2019

O trabalho "Natureza-morta com laranjas", toma como eixo um dos importantes gêneros da história da arte, a “natureza-morta”, para uma reflexão crítica e irônica. Na obra, uma revista Cruzeiro de 1963 encontra-se aberta na página de uma propaganda, anunciando a recém chegada fábrica de refrigerantes Crush no Brasil. O texto da propaganda apresenta um ideal de progresso e modernização com a chegada da fábrica, espírito daquele momento no país, ao lado de uma imagem composta por duas garrafas e laranjas remetendo a silhueta do Congresso Nacional, em um jogo semiótico. Na obra, uma composição com garrafas antigas do refrigerante vazias, e laranjas em decomposição, estão posicionadas à frente da revista, apontando um certo fracasso, sobretudo em relação a uma utopia moderna.

Still life with oranges

sculpture 2019

 

The work "Still-life with oranges", takes as an axis one of the important genres of art history, "still-life", for a critical and ironic reflection. In the work, a 1963 Cruzeiro magazine is open on the page of an advertisement, announcing the recently arrived soft drink factory Crush in Brazil. The advertising text presents an ideal of progress and modernization with the arrival of the factory, spirit of that moment in the country, alongside an image composed of two bottles and oranges referring to the silhouette of the National Congress, in a semiotic game. In the work, a composition with empty old soda bottles, and decomposing oranges, are positioned in front of the magazine, pointing to a certain failure, especially in relation to a modern utopia.